GoTOP

Blog

fechaInicio 3 AGO 2017

Como programas de inovação aberta ajudam sua startup a fechar contratos com grandes empresas

Entenda como funciona o programa de inovação aberta Telefônica Open Future_

A Telefônica, que no Brasil detém a marca Vivo, tem um programa de inovação aberta e empreendedorismo conhecido como Telefônica Open Future (TOF). Dentro dele, um de seus principais braços é a Wayra, veículo de investimento semente que ajuda empresas a melhorarem seu produto, ganharem escala, acesso ao mercado, novos clientes e, de quebra, a fecharem grandes negócios com a Telefónica/Vivo.

 

Presente no Brasil há quase cinco anos, a Wayra já aportou mais de R$ 10 milhões em 63 startups no país. E essa é só uma parte do trabalho mundial da academia, presente em 10 países, que já investiu aproximadamente R$ 126 milhões em 618 startups.

 

Por que apostar nisso? Porque há uma relação de ganha-ganha muito clara. Por um lado ajuda a startup crescer, desenvolver o produto e ganhar acesso a grandes clientes, principalmente com a própria Telefônica e seus mais de 100 parceiros públicos e privados. Por outro, a corporação consegue se conectar com o que há de mais inovador e interessante sendo criado por aí e absorve a agilidade das startups ao contratar seus serviços e produtos, e/ou co-criar soluções com elas. Com isso, a grande empresa consegue se tornar mais dinâmica ao passo em que a startup fica mais robusta e cresce. Grandes corporações e novas startups: como acontece o casamento?

 

Tal como qualquer veículo de investimento, a Wayra espera ter o retorno sobre a empresa investida, mas vai além disso. “Quando você analisa os números de negócios e contratos assinados, fica claro que as startups que fecharam contrato com a Telefônica mudaram de patamar. As empresas acabam virando case e ganham a confiança do mercado. Com isso, as portas se abrem com outras grandes empresas e, consequentemente, se valorizam e se tornam mais interessante para investidores”, comenta Renato Valente, country manager do Programa TOF e da Wayra no Brasil.

 

Foi justamente o que aconteceu com a Reglare, uma startup que nasceu em 2012 como um software que buscava por informações em redes sociais, websites, planilhas, PDFs etc. Junto com o buscador, eles desenvolveram uma máquina de regras para conseguir tomar decisões com essas informações em mãos.

 

Tentaram vender em diversos setores até que decidiram entrar na Wayra e criar uma solução junto com a Telefônica. “Entramos com essa intenção. Percebemos que ninguém queria comprar a tecnologia pela tecnologia. Então viemos para a Wayra já para identificar quais oportunidades nossas soluções poderiam criar valor para a Telefônica”, explica Hélio Katanosaka, CEO da Reglare.

 

Dito e feito. Ao entrar na Wayra a Reglare teve acesso a executivos de alto escalão, como VPs e diretores de diferentes áreas da Telefônica. Com o apoio de mentores da Wayra, a startup logo conseguiu adequar sua tecnologia às necessidades da corporação e, em pouco tempo, desenvolveu seu produto: o 156 digital.

 

O poder da inovação aberta...

Basicamente, o 156 digital reúne pleitos e reclamações sobre a cidade feitas pelos cidadãos nas redes sociais, qualifica os comentários, encaminha para as secretarias responsáveis de forma organizada, e abre um protocolo para que o indivíduo possa acompanhar o processo.

 

A Telefônica comercializa esse serviço para as prefeituras usando sua poderosa força de vendas que tem a capilaridade necessária para conversar com os milhares de municípios do pais. E a Reglare entra como parceira oferecendo a tecnologia para o produto. Essa é uma combinação vencedora, que dá à startup o acesso ao mercado através da grande empresa, e à corporação a tecnologia que a torna mais inovadora.

 

O negócio deu tão certo que, apenas três anos depois, em 2015, a Reglare já se preparava para criar uma nova empresa com a mesma base tecnológica. Com a mentoria da Wayra eles identificaram que poderiam usar o mesmo conceito para desenvolver uma solução para o contencioso jurídico.

 

A Oito usa big data para automatizar e otimizar processos de empresas de forma inteligente, aumentando a eficiência e reduzindo os custos. A Telefônica também é uma das clientes da Oito. Mas, dessa vez, a startup foi além e, tendo o benchmark da corporação, conquistou outros grandes clientes.

 

Hélio não conseguiu isso apenas por conta da facilidade promovida pela Wayra, mas porque tinha conhecimento e experiência. Empreendedor desde a década de 1990, já vendeu duas empresas e sabia como lidar com grandes corporações.

 

A startup tem boa vantagem por ser enxuta e ágil, pois pode testar e trabalhar com o mercado, colher feedback e melhorar o produto antes de lançá-lo, segundo Renato. Porém, a experiência com grandes corporações e a maturidade são essenciais para o crescimento das startups, especialmente quando querem se tornar fornecedoras ou parceiras delas.

 

“É preciso saber escolher! Há muitas iniciativas que as conectam com grandes empresas, mas é fundamental que a startup entenda por que escolher um investimento ou iniciativa em prol de outro. Fazer parte da Wayra, um veículo global de investimento presente em 10 países, focado em conectar startups à Telefônica e outras centenas de empresas parceiras, é uma oportunidade certeira para a startup que sabe o que quer, que tem foco e, principalmente, para um time 100% dedicado no crescimento da empresa. Buscamos startups que identificaram um grande problema em suas experiências anteriores ou no mercado e que decidiram sair para resolver com seu conhecimento técnico e relevante no campo”.

 

O case da Reglare é semelhante ao de muitas startups dentro da Telefônica e da Wayra. No fundo, essa é a tese da inovação aberta: um sistema entre grandes e pequenos que se retroalimenta e fomenta os negócios em ambas as pontas. “No final de tudo inovação aberta é conseguir melhorar a experiência do usuário com inovações, serviços, produtos que não foram desenvolvidos dentro da empresa com esse foco”, comenta Renato.

 

Se você acredita que tem uma solução que resolve problemas de grandes empresas, nos conte aqui (WayraBR Form)ou aguarde a chamada aberta no final do ano!

*Se inscreva na plataforma Open Future e tenha acesso a diversos conteúdos, eventos, chamadas globais e mais!

Como programas de inovação aberta ajudam sua startup a fechar contratos com grandes empresas by Carolina Morandini is licensed under a Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional License.